quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

AUTO-ENGANO

Para compensar nossa inteligência sofisticada capaz de eleger prioridades diferentes da simples sobrevivência e reprodução, a natureza humana criou o AUTO-ENGANO, isto é, a facilidade de nos enganarmos para comer ou procriar mais: “Vou abrir este pacote de biscoitos, mas vou comer só um” ou ”Esqueceu a camisinha? Não tem problema, acho que não estou no período fértil”.

O auto-engano do momento é identificar saudável com poucas calorias. Basta o alimento trazer o rótulo de “orgânico”, “sem gorduras trans” ou “light” para pessoa se fartar, considerando que tem menos calorias do que realmente tem. A pizza da foto, por exemplo, tem massa grossa, é calórica, mas sua cobertura saudável nos deixa à vontade para comer e repetir. Como os americanos são craques no cálculo de calorias, o New York Times fez uma brincadeira, apresentou uma refeição de 934 calorias para 20 pessoas. Em média, elas estimaram que tinha 1.011 calorias, 77 a mais. Para um grupo semelhante de avaliadores, apresentaram a mesma refeição acrescida de um biscoito de 100 calorias com "sem gordura trans" estampado em destaque no rótulo. A refeição ficou com 1034 calorias, mas as pessoas estimaram em 835, 199 a menos do que a quantia correta e menos 176 do que antes da inclusão dos biscoitos saudáveis. Para maiores detalhes leia:

http://www.nytimes.com/2008/12/02/science/02tier.html?_r=1&ref=health

― 023 ―

4 comentários:

raka disse...

Gente...essas pessoas acharam que adicionando o biscoito "saudável", o prato iria diminuir o número de calorias?
Foi isso mesmo que eu lí?

Flávio Franklin disse...

Raka,
obrigado pelo comentário, vou aprimorar o texto, foi um outro grupo de pessoas que reavaliou o prato acrescido do biscoito.

Anninha disse...

Eu não caio no conto do "light e saudável". Estou passando por um processo de reeducação alimentar e confesso que ando vendo rótulos, mas por completo, vendo todas as informações nutricionais (até mesmo o esquecido sódio...). Tento optar sempre pelo que é mais saudável, mas se a gente escolhe o light e dobra a porção, do que adianta, né? Mas é um toque interessante o dessa matéria!

Flávio Franklin disse...

Anninha,
É isso, gostei do comentário, além de light, tem que ser saudável e pouco.